Candidata do The Voice tem vínculo com a a gravadora Som Livre

Candidata do The Voice tem vínculo com a a gravadora Som Livre - Reprodução

O The Voice Brasil, transmitido pela Rede Globo, apresentou diversos talentos em seu primeiro programa, mas nem todos são tão anônimos assim. A norte-americana Alma Thomas, que conquistou todos os jurados cantando Adele, já teria um vínculo com a Som Livre, segundo a coluna Diário da Fama, do Diário de São Paulo.

No ano de 2005, ela teve uma música na compilação “GNT – New Jazz”, lançada pela Som Livre, que também  incluía, além da faixa cantada por ela, canções de artistas como Norah Jones, Diana Krall e Jamie Cullum.

A Som Livre se explicou no caso: “A Alma emplacou uma música em novela, mas  a Som Livre não participou de nenhum processo de indicação de artistas para o ‘The Voice’. A Alma editou algumas músicas dela na Jet Music, editora que a Slem (Som Livre Edições Musicais) administra”.

A novela em que a Alma cantava era Passione, de 2009, de Silvio de Abreu. Na época,  ela gravou a canção “One More Take”. Como se não bastasse, ela já teve suas  canções nos filmes “Se Eu Fosse Você” e “De Pernas Pro Ar”, ambas produções da Globo Filmes.

Vale lembrar que na coletiva de imprensa de lançamento do programa, deixaram bem claro que o The Voice não é para anônimos e amadores. É justamente o contrário, para cantores já profissionais e até conhecidos, mas que não conseguiram repercussão que os classificasse como “famosos” e se firmassem de vez no cenário musical.

 

Terra

The Voice Brasil estreia prometendo repetir sucesso de outros países

The Voice Brasil estreia prometendo repetir sucesso de outros países

Novo programa das tardes de domingo na Globo, The Voice Brasil parece ter agradado telespectadores e famosos. Tiago Leifert e Daniele Suzuki apresentam o programa, sucesso em outros países, como Estados Unidos, Reino Unido, México e Argentina.

Depois da realização de audições por todo o Brasil, os quatro jurados – Claudia Leitte, Daniel, Carlinhos Brown e Lulu Santos – vão escolher, com participação do público, a nova voz da música brasileira. Os jurados também competem: cada um

Publicidade

vai formar e treinar um grupo de 12 cantores.

Como foi o primeiro programa

Etapa: “Audições às cegas”

– Jurados de costas para o palco enquanto cantor se apresenta

– Se gostar da voz, o jurado aperta o botão da cadeira e se vira para o palco; só aí vê o candidato e será seu treinador se for o único jurado a se virar

– Candidato escolhe seu técnico se dois ou mais jurados se virarem ou é eliminado se nenhum jurado se virar

– Lulu Santos já tem em seu time: Gabriel Levan, que se apresentou com a música Come Together (The Beatles), Gustavo Fernandes, que cantou Viva La Vida (Coldplay) e Greicy Schwendner, que homenageou o próprio Lulu com Tempos Modernos

– Daniel vai treinar, por enquanto, Liah Soares (As Rosas Não Falam – Emilio Santiago) e Alma Thomas (Someone Like You – Adele)

– Carlinhos Brown tem na equipe Bruno & Camila, que cantaram Just a Kiss (Lady Antebellum), Ellen Oléria (Zumbi – Jorge Ben Jor), Mayara Prado (Fruto Especial – Bruno & Marrone) e Karol Cândido (Negro Gato – Marisa Monte)

– Claudia Leitte será a técnica de Breno Lima (Amor Maior – Jota Quest) e Marianna Eis (Moves Like Jagger – Maroon 5)

– Destaque para o índio Yuri, morador da Aldeia Jatobá, em Tangará da Serra, que encantou a plateia ao cantar “Sinônimos” (Zé Ramalho e Chitãozinho & Xororó), mas não foi escolhido por nenhum dos quatro jurados

Famosos comentam programa no Twitter

As cantoras Preta Gil, Luiza Possi, Gaby Amarantos, o ator Sergio Marone, a atriz Fernanda Paes Leme, a apresentadora Angélica, entre outras celebridades, desejaram sorte na estreia da atração.

Internautas da Jovem Pan aprovam

O Portal Jovem Pan Online perguntou no Facebook se os internautas assistiram e o que acharam: 560 pessoas curtiram e, dos 255 que comentaram, 217 elogiaram o programa (números contabilizados até 19h44).

 

Virgula

‘The Voice’ estreia com o dobro da audiência da Record, porém ‘peca’

Depois de incursões não muito felizes no gênero, a Globo voltou a investir nos reality shows musicais com “The Voice – Brasil”, que estreou neste domingo. No quesito audiência, a atração foi bem: liderou de ponta a ponta e marcou mais que o dobro da emissora segunda colocada no horário, com 15,6 pontos de média, com pico de 19. No mesmo horário, Record registrou 6,5 pontos, seguida por SBT e Band, com 6 e 3,5 pontos, respectivamente.

Estruturalmente, no entanto, há diferenças entre o que vinha sendo mostrado nos outros países e agora é exibido no Brasil. Enquanto lá fora o programa é gravado em estúdios gigantes e com plateia numerosa, por aqui tudo pareceu mais modesto. Até mesmo das luzes que se acendem no chão deixando ainda mais claro que técnico escolheu cada candidato foram abolidas. Duas das telas com a logomarca do reality, coladas às costas das cadeiras dos técnicos, deram defeito e piscaram sem parar. E o mais importante: faltou personalidade aos jurados para brigarem por seus candidatos, assim como empolgação do público que a tudo assistia. Um dos grandes charmes da atração é ser mostrada como uma grande arena, como se o espectador assistisse a um show, em que pode reagir e torcer junto.

Nos Estados Unidos seria inconcebível, por exemplo, que um jurado virasse a cadeira para um candidato que cantasse bem e ninguém reagisse na plateia. Aconteceu por aqui. O povo pareceu frio aos calouros. Da mesma maneira, é na rivalidade entre os técnicos famosos que esse programa se baseia. A ideia é que eles façam de tudo por um candidato. Por aqui, reinou o coleguismo, sem nenhuma indireta ou provocação, que conferem tempero ao formato. Daniel, por exemplo, pouco reagiu. Claudia Leitte não conseguiu fazer um bom marketing para montar seu time. Já Lulu Santos e Carlinhos Brown mostraram-se mais assertivos.

Excetuando esses pontos específicos, há que se registrar o avanço do reality ao permitir que candidatos possam cantar música em inglês. Não dá para ignorar a globalização e o público conhece boa parte dos hits internacionais que foram cantados no palco. Faltou, no entanto, uma brincadeira recorrente no formato original. Mostrar candidatos e sua história sem mostrar o rosto de maneira que cause surpresa também no espectador. Por vezes uma voz considerada feminina pertencia a um homem, ou um calouro de “atitude vocal” jovem pode ter, na verdade, bem mais idade do que se imagina. Resta ver se tais recursos serão explorados no futuro.

Terra

Claudia, Brown, Daniel e Lulu não viram cadeira para índio e se arrependem

Técnicos se arrependem por não ter escohido Yuri (Foto: The Voice Brasil/TV Globo)

O índio Yuri, morador da Aldeia Jatobá, em Tangará da Serra, encantou a todos ao cantar “Sinônimos”, música interpretada por Zé Ramalho e Chitãozinho & Xororó. Apesar da plateia aplaudir de pé a interpretação do cantor, ele não foi escolhido pelos técnicos na estreia do The Voice Brasil, neste domingo, 23.

Surpresos por terem um índio participando do reality, os técnicos agradeceram a apresentação de Yuri: “Que dia festivo para o Brasil tê-lo aqui representando sua etnia. Sua voz é uma voz brasileira”, revelou Carlinhos Brown. O técnico aproveitou para declarar seu arrependimento por não ter apertado o botão da cadeira: “Estou muito orgulhoso de estar na sua frente e arrependido de não ter batido”. Logo em seguida Claudia Leitte e Daniel também demonstraram seu remorso: “Somos dois!”, exclamou Daniel. “três”, disse Claudia.

The Voice: Carlinhos Brown sai na frente e já tem quatro cantores na sua equipe

Carlinhos Brown já tem quatro cantores em seu time (Foto: The Voice Brasil/TV Globo)

Carlinhos Brown mostrou que não tem tempo a perder. Logo no primeiro programa, o técnico do The Voice Brasil já conseguiu quatro cantores para o seu time. Sua primeira escolha foi a dupla Bruno & Camila, uma surpresa para todos: “Fiquei admirado e muito obrigado. Será um grande desafio comandar vocês”, revelou Brown.

A segunda escolhida foi Ellen Oléria, de Brasília. A candidata conquistou todos os quatro técnicos e escolheu ficar com Brown: “Por um vínculo poético e estético eu escolho estar com o Carlinhos”, declarou a cantora. A terceira participante da equipe de Carlinhos Brown também é uma mulher. O técnico escolheu Mayara Prado, de 23 anos: “O que me fez bater foi a garra. Músicas assim vão direto ao coração”, revelou.

Para finalizar as selecionadas do seu grupo, Brown apostou em mais uma voz feminina. A carioca Karol Cândido foi escolhida pelo técnico e por Claudia Leitte, que tentou chamar a atenção da cantora: “Gata, você é negra loira. A gente combina né com o cabelo? Vem comigo!”. Apesar do esforço de Claudia, a cantora escolheu integrar o time de Carlinhos: “Sou super fã dos dois, mas vou ficar com o Brown”.

Confira o que cada um dos integrantes do time de Carlinhos Brown cantou:

– Bruno & Camila cantaram: Just a Kiss (Lady Antebellum)
– Ellen Oléria cantou: Zumbi (Jorge Ben Jor)
– Mayara Prado cantou: Fruto Especial (Bruno & Marrone)
– Karol Cândido cantou: Negro Gato (Marisa Monte)

“The Voice Brasil” vai ter calouros pré-contratados da gravadora Universal

Os quatro jurados do "The Voice Brasil": Carlinhos Brown, Claudia Leitte, Daniel e Lulu Santos  (18/9/12)

A versão brasileira da competição musical “The Voice”, que estreia na Globo no próximo domingo (23), às 14h, vai apresentar cantores com contrato com a gravadora Universal, conforme adiantou J. B. de Oliveira, o Boninho, diretor de núcleo da atração, durante a apresentação do show, na tarde desta terça-feira (18), no Projac. Nesse sentido, o concurso procura se diferenciar de programas que “formam talentos”, como o “Fama”, apresentado pela Globo no passado, e o “Ídolos”, da Record.

“O ‘Fama’ era um programa de calouros, o ‘The Voice’ lida com artistas prontos. Todos os 105 selecionados são pré-contratados da Universal”, comparou Boninho, acrescentando que os artistas participantes não têm vínculo com a Globo.

Segundo a produção, para serem selecionados, os candidatos deveriam “cantar bem e entender de música”. Durante a competição, os quesitos visual e postura não estarão em avaliação – tanto que os pré-selecionados cantarão para os jurados sem serem vistos, para que o único fator de decisão seja a voz. “O que pesa na competição é o talento puro. Não importa a história, o visual ou a postura”, disse Boninho. As seletivas foram feitas em oito cidades: Porto Alegre, São Paulo, Rio de Janeiro, Belo Horizonte, Recife, Natal, Salvador e Brasília.

A atração pretende valorizar diferentes estilos musicais, a começar pelo time de músicos escolhidos como jurados do programa: Carlinhos Brown, Cláudia Leitte, Daniel e Lulu Santos. O conceito é o mesmo do programa americano exibido pela NBC, que já está em sua terceira edição e é apresentado por Carson Daly, com Adam Levine (Maroon 5), Billie Joe Armstrong (Green Day), Blake Shelton, Christina Aguilera e Cee Lo Green como mentores dos calouros.

“Não estamos procurando o candidato pelo estilo”, frisou o sertanejo romântico Daniel, que relatou dificuldade em escolher o melhor candidato nas audições. “É muito difícil apertar o botão, como também é difícil não apertar. Não queremos ser injustos”.  Lulu Santos declarou estar supreso “com a perfeição técnica dos participantes e com a química que estamos tendo”. Brown viu que “já está rolando as primeiras táticas” no primeiro programa, gravado nesta segunda-feira

.AgNews

O comando do “The Voice Brasil” ficará a cargo do jornalista esportivo Tiago Leifert, que deixou momentaneamente suas funções na edição paulista do “Globo Esporte” para conduzir o programa, ao lado de Daniele Suzuki, que dará flashes diários sobre os bastidores. “Estou ‘emprestado’ do programa até dezembro. Nesse meio tempo, vou fazer matérias especiais pro “Globo Esporte”. Para mim profissionalmente esta sendo ótimo dar esse tempo. Retomar  trabalho como repórter, mas eu sempre encarei o esporte como entretenimento. Como telespectador, me emociono mas não falo com os jurados para não influenciá-los”, contou Leifert.

Ao todo, a competição terá 13 episódios, de 70 minutos de duração em média, e terminará no dia 13 de dezembro.  Foram mais de 20 mil inscritos e para as audições finais sobraram apenas 105. Na fase seguinte, cada jurado escolhe 12 participantes. Depois, sobram 24 e, durante os shows ao vivo, ficam 8 candidatos para as semifinais. A final será disputada por 4 artistas, vinculados a cada um dos jurados.

O campeão do “The Voice Brasil” será escolhido por voto popular e vai ganhar R$ 500 mil em prêmio, além de um contrato para gravar um álbum.

Globo: “The Voice Brasil” é apresentado à imprensa

the voice (Foto: Rede Globo/ Nathalia Fernandes)

Na tarde desta terça-feira, dia 18, a equipe do The Voice Brasil recebeu a imprensa naCentral Globo de Produção para apresentar o novo reality show da Rede Globo, que estreia neste domingo, dia 23. Com direção de núcleo de Boninho, o The Voice reúne uma equipe de peso para treinar e avaliar os participantes. Com Tiago Leifert no comando, a atração conta ainda com Claudia Leitte, Carlinhos Brown, Daniel e Lulu Santos. Daniele Suzuki fará os flashes diários sobre os bastidores.

– O legal do The Voice é que não é show de calouros, eles são profissionais. Estava de férias quando recebi o e-mail e fiquei louco com o convite. Já assistia ao programa lá de fora e gostava do formato, mas o Carson Daly (apresentador da versão dos EUA) é o oposto de mim. No primeiro momento vou procurando arrancar boas histórias como repórter mesmo, e já até me emocionei com uma pessoa e tive que me conter – conta Tiago Leifert, que além de apresentar o programa, acompanha de perto os candidatos e suas famílias antes e depois dos testes.

Daniele Suzuki e Tiago Leifert (Foto: Nathalia Fernandes/ TV Globo)

Cada técnico ficará responsável por 12 participantes, escolhidos na primeira etapa do reality, na qual os artistas não poderão ver os candidatos, apenas escutar a voz deles. De costas, eles terão que avaliar e escolher seus times ouvindo apenas o som da voz dos candidatos. Só depois eles poderão girar a poltrona e conhecer o rosto do participante. Carlinhos Brown, Cláudia Leitte, Daniel e Lulu Santos formam a banca de treinadores do The Voice Brasil, e terão o desafio de descobrir, treinar e fazer brilhar um novo talento da música brasileira.

– Se você acreditar naquela voz, você aperta o botão. Procuro me encantar com a voz e não com o estilo. Espero poder somar algo de muito positivo para os candidatos e os telespectadores do programa – revela o cantor Daniel.

Claudia Leitte (Foto: Nathalia Fernandes/ TV Globo)

Claudia Leitte também está à procura de uma voz que arrebate seu coração:

– Eu estou procurando uma voz que seja marcante e transmita emoção. Como técnica, busco algo que me arrepie, porque talento todos eles têm. Sou uma cantora de axé que conhece e gosta de outros estilos. Quero ver essa versatilidade nos candidatos também. O Brasil precisa de um projeto assim. Participar da atração é uma realização pessoal para mim, porque um dos meus sonhos é produzir outros artistas.

Já Lulu Santos revelou que muitas vezes se surpreende nas gravações:

– O programa superou minhas expectativas. Isso é muito gostoso. Às vezes, não sabemos nem se é homem ou mulher até virar a cadeira.

A apresentação à imprensa contou ainda com uma brincadeira em que quatro jornalistas foram escolhidos para ocupar as cadeiras dos técnicos/jurados, enquanto um vídeo passava atrás deles mostrando os cantores soltando a voz e eles escolhiam se apertavam ou não o botão.

Jornalistas no palco (Foto: Nathalia Fernandes/ TV Globo)

Depois de edições de sucesso em todo mundo, a versão brasileira da atração segue o conceito de valorizar diferentes estilos musicais, como no programa americano. Por isso, o time de técnicos é composto, propositalmente, por quatro artistas que cantam, produzem e conhecem a fórmula para o sucesso, capazes de reconhecer pessoas talentosas e lapidá-las. Para ser candidato, basta cantar bem e entender de música.

the voice (Foto: Rede Globo/ Amanda Freitas)

– O que pesa na competição é o talento puro. Não importa a história, o visual ou a postura. A ideia do programa é alavancar a carreira dos cantores, que já são profissionais pré-contratados pela Universal. – conta J. B. de Oliveira, o Boninho, diretor de núcleo da atração.

the voice (Foto: Rede Globo/ Amanda Freitas)

Na primeira fase da competição, composta por audições, cerca de cem candidatos pré-selecionados cantarão para os quatro técnicos sem serem vistos. Enquanto eles cantam, os técnicos ficam de costas, para que o único fator de decisão seja a voz dos concorrentes. Daí a razão para o nome do programa – ‘The Voice’ (‘A Voz’).

– O formato, além de criativo, é original. O programa dará ênfase às performances e tratará os participantes com o respeito devido a artistas. São mais ou menos 100 candidatos e 48 serão escolhidos para as fases. Após a escolha, os técnicos (artistas) irão treinar seus times para ganhar na Final, que acontece dia 16 de dezembro. Sempre haverá plateia e não haverá confinamento – destaca o diretor-geral Carlos Magalhães.

Carlinhos Brown (Foto: Nathalia Fernandes/ TV Globo)

Para Carlinhos Brown, nem tudo está perdido para os candidatos que acabem eliminados:

– Nosso país está muito bem preparado. Procuramos a melhor voz que se encaixe no perfil do The Voice. Isso aqui não encerra nada, nem altiva ninguém – pondera Brown, que revelou que a química entre os jurados não podia estar melhor.

Lulu Santos (Foto: Nathalia Fernandes/ TV Globo)

Conheça a dinâmica do programa

 Tiago Leifert (Foto: Nathalia Fernandes/ TV Globo)

Audições

O reality será dividido em três etapas: audições, batalhas e shows ao vivo. Na primeira fase, os concorrentes se apresentam individualmente, enquanto os técnicos ficam de costas, apenas ouvindo os testes. Se um deles gostar do que ouvir e quiser que aquela pessoa componha o seu time, ele aperta um botão, e sua cadeira gira para que ele possa ver quem é o dono da voz escolhida. Caso mais de um técnico opte pelo mesmo cantor, cabe ao concorrente decidir com qual artista quer trabalhar. Assim, cada técnico formará um time com doze participantes, totalizando 48 concorrentes.

Batalhas

Com as equipes formadas, começam as batalhas. Nelas, os competidores cantam em duetos com integrantes do próprio time. Após a apresentação, o técnico decide quem avança para a próxima etapa e quem está fora da competição. Com o desenrolar das batalhas, cada time terá seu número de integrantes reduzido pela metade. Apenas 24 candidatos – seis de cada técnico – passam para a terceira fase.

Shows ao vivo

A terceira e última etapa da disputa são os shows ao vivo. É quando começa a participação do público. As melhores vozes disputarão as semifinais, quando cada técnico terá apenas dois cantores, que se apresentarão individualmente. Na final, cada treinador terá apenas um competidor, e caberá ao público votar em quem será o campeão do The Voice Brasil. O vencedor ganha R$ 500 mil e um álbum gravado pela Universal Music.

Daniel (Foto: Nathalia Fernandes/ TV Globo)