Arquivos do Blog

Saiba quem é quem na novela ‘Flor do Caribe’

692_194716970651971_1787126630_n

Nesta segunda (11) estreia a nova novela das seis da Globo. De Walter Negrão e com direção de Jayme Monjardim, “Flor do Caribe” se passa no Rio Grande do Norte e na Guatemala, pais da América Central e contará a história do casal Ester (Grazi Massafera) e Cassiano (Henri Castelli). Namorados desde a adolescência, os dois vivem um romance perfeito até que a inveja e a ambição de Alberto (Igor Rickli) estragam a vida do casal. Saiba quem são os principais personagens da trama:

Cassiano (Henri Castelli) – Rapaz humilde e admirado na Vila dos Ventos, Cassiano é um piloto da aeronáutica que desde que criança é apaixonado por Ester. Apos cair em uma armadilha feita pelo seu “amigo” Alberto, ele terá que enfrentar vários desafios para sobreviver e reencontrar sua amada.

Ester (Grazi Massafera) – Romântica e linda, ela conduz os turistas que vão a Vila dos Ventos em passeios de bugues pelas praias da região e sofrerá muito com o desaparecimento do seu amado.

Alberto (Igor Rickli) – Neto de Dionísio (Sérgio Mamberti), empresário mais rico da região, é bonito, festeiro, porém sem escrúpulos, Alberto nutre uma paixão platônica por Ester. Armará uma armadilha para Cassiano a fim de conquistar a amada, porém ela não corresponderá ao seu amor, o que deixará ainda mais maquiavélico.

Taís (Débora Nascimento) – Irmã de Cassiano e melhor amiga de Ester, Taís é guia turística. Namora o piloto Rodrigo (Thiago Martins), que desconfiará do desaparecimento de seu cunhado.

Candinho (José Loreto) – Anda com sua cabra, Ariana, e vende leite ordenhado na hora, de porta em porta. As crianças adoram ouvir suas histórias cheias de magia.

Samuel (Juca de Oliveira) – Pai de Ester. Nasceu na Holanda e, aos cinco anos, foi separado dos pais. Chegou ao Rio Grande do Norte para comprar pedras preciosas e se apaixonou por Lindaura (Ângela Vieira).

Dionísio (Sérgio Mamberti) – Rico empresário da região que no passado era traficante de diamantes. Manter negócios suspeitos.

Amaralina (Stefani Brito) – Extrovertida e independente corre o mundo à procura do avô. Conhece Duque no Caribe, mas nem imagina ser ele o único parente que lhe restou. Vai sacudir a vida de Paçoquinha, com quem terá um romance conturbado e hilário romance.

Duque (Jean Pierre Noher) – Um grande estelionatário internacional que é o avô de Amaralina. Será mentor de Cassiano.

Veridiana (Laura Cardoso) – Avó de Candinho, Lino (José Henrique Ligabue) e Dada (Renata Roberta). Neta de cangaceiros vira uma onça para defender as crias.

Quirino (Airton Graça) – Ex-seminarista e faz-tudo, trabalha também como piloto da lancha de Alberto. É casado com Doralice e pai de Juliano e do pequeno William (Renzo Aprouch).

Doralice (Rita Guedes) – Cozinheira, copeira e governanta de Dionísio. É casada com Quirino e mãe de Juliano e William, ambos adotados.

Juliano (Bruno Gissoni) – Filho de Quirino, é pescador e se apaixona pela bióloga Natália (Daniela Escobar),vinte anos mais velha, com quem viverá um romance complicado.

Laura Peçanha (Suzana Pires) – Detetive particular, chega ao vilarejo atrás de Duque. Muito atrapalhada, vai de deixar enganar por ele.

Também fazem parte do elenco: Bete Mendes, César Trancoso, Cacá Amaral, Raphael Vianna, Max Fercondini, Thaíssa Carvalho, Dudu Azevedo e Moro Angheleri.

“Flor do Caribe” estrei nesta segunda, 18:15 na Globo.

Curto

CURTA A NOSSA PAGINA NO FACEBOOK

SAUDADE!!! – “Lado a Lado” mostra que parte do público não quer qualidade

Lado a Lado/ Divulgação

Sites e colunistas noticiaram com alarde que “Lado a Lado” – que terminou nesta sexta-feira – figura como a novela das seis de pior audiência dos últimos dez anos. Lembro aqui que os números de São Paulo (onde índices preliminares acusam média de 18 pontos) é que comandam o cenário nacional, pois a capital paulista concentra a maior fatia do bolo do mercado publicitário (há lugares onde teve desempenho de trama das 21h, como Recife, Salvador e Porto Alegre, chegando a 30, 35 pontos).

Nos altos e baixos da dança dos números, chegou a amargar a decepcionante marca de 13,5 pontos (em 20 de dezembro) e a bater na casa dos 25 (em 16 de janeiro). Cada ponto equivale a 61 mil domicílios na Grande São Paulo. Pode parecer irônico, mas – mesmo diante desse quadro – “Lado a Lado” pode ser considerada uma grande novela. Está em outro patamar, merecidamente (e azar de quem não pode desfrutar dessa história).

Executivos de televisão, especialistas no assunto e mesmo os anunciantes entendem hoje em dia que a audiência não pode (e nem deve) ser analisada apenas pelos números do Ibope. O sucesso ou o fracasso de uma trama se mede por uma série de fatores (a exibição de capítulos na Internet, inclusive). Por isso, a história de João Ximenes Braga e Claudia Lage chega ao fim com a sensação de missão cumprida.

A trama é campeã de prestígio – e isso é importante. Audiência não é sinônimo de qualidade, o que “Lado a Lado” tem de sobra. Por que você acha que um programa que patina no Ibope muitas vezes segue no ar? Porque tem prestígio junto ao mercado. Porque atrai anunciantes – seja pelo conteúdo ou por ter um (a) apresentador (a) que “vende”. Em contrapartida, alguns lideram a audiência, mas ninguém quer associar sua marca a baixaria.

A vilã Constância, interpretada por Patrícia Pillar

Por mais que evidenciem os percalços da audiência, jornalistas de plantão (inclusive eu) são praticamente unânimes ao apontar “Lado a Lado” como um produto impecável. Aí a repercussão positiva. Novela é conjunto! A trama teve ótimos atores (elenco digno de horário nobre), direção cuidadosa (com Dennis Carvalho no comando), produção caprichada e trilha sonora bem escolhida (a começar pelo tema de abertura, o samba-enredo “Liberdade, Liberdade”).

Sobre o texto (a estreia dos autores num voo solo após anos colaborando com Gilberto Braga, supervisor da história), João Ximenes e Claudia conseguiram prender o público e pontuar passagens históricas importantes da sociedade carioca do início do século 20 (após o declínio do Império) sem cair no didatismo exacerbado. Tudo estava no contexto, aparecia em ações (a situação do negro e da mulher, por exemplo). Nada de personagem ficar explicando tudo nos mínimos detalhes, falando sozinho (solilóquio), como aparece em muitas tramas que nem são de época.

Claro, teve o bom melodrama, que não pode faltar numa novela para o telespectador se identificar: a mãe que sofre a perda do filho, depois o reencontra e luta por ele; amores e desencontros. E por aí vai. A amizade de Laura (Marjorie Estiano) e Isabel (Camila Pitanga), numa busca por liberdade e amor, justificou muito bem o título.

E foi aquela novela na qual todos os atores tiveram seu momento para brilhar. Numa boa costura todos foram aproveitados. Merecido destaque, sim, para Marjorie, Camila, Patrícia Pillar (Constância), Sherom Menezes (Berenice), Isabela Garcia (Célia), Cássio Gabus Mendes (Bonifácio), Caio Blat (Fernando) e Milton Gonçalves (Afonso).

Edgar ( Thiago Fragoso) e Laura ( Marjorie Estiano)

Considero injusto o comentário de alguns que Thiago Fragoso (Edgar) roubou a cena de Lázaro Ramos (Zé Maria). É ponto de vista, vamos respeitar. Os dois estavam ótimos. Como excelente ator, Lázaro defendeu com dignidade e brilhantismo o que foi exigido do personagem, o super-herói negro. Não esqueci da boa dose de comédia no núcleo do teatro, que reuniu Maria Padilha (Diva), Paulo Betti (Mário), Tuca Andrada (Frederico), Maria Clara Gueiros (Neusinha) e ainda projetou Álamo Facó (Quequé).

Puxando pela memória, me lembrei de outra trama das seis, também de época, essa assinada pelo já consagrado Gilberto Braga (e Alcides Nogueira): “Força de Um Desejo” (1999/2000). O enredo era envolvente, a cada capítulo uma novidade (embora muitos não consigam enxergar isso em novelas de época).

Com todos os mesmos atributos de “Lado a Lado”, teve problemas com a audiência e tentaram culpar a Globo pelo fato de ter retomado as histórias de época no horário (novelas “atuais” que vieram depois tiveram problemas ainda maiores). Mas “Força de Um Desejo” figura entre as superproduções do horário das seis, tendo desempenhado um belo papel no Exterior. A trama dos pupilos de Braga deve seguir agora o mesmo caminho e ser lembrada no futuro mais pela obra do que por fatores externos. Devido reconhecimento.
“Flor do Caribe”, de Walther Negrão, vem aí com a missão de deixar mais clara e ensolarada a faixa das seis. Será que vai clarear a audiência?

 Yahoo!

‘O Brasil não me ama’, diz Henri Castelli antes de estrear em ‘Flor do Caribe’

23022013flordocaribe106260

 

Henri Castelli fez diversas reflexões sobre sua profissão. Em entrevista ao site F5, o ator contou que não se sente protagonista de “Flor do Caribe”, que estreia dia 11 de março.

“Eu não me sinto protagonista”, afirmou. “Já se foi o tempo em que novela levava o nome do personagem.”

Na próxima novela das seis, Henri dá vida a Cassiano, o mocinho da trama. O personagem cairá numa armadilha do amigo Alberto (Igor Rickli) e acabará perdendo o amor de sua vida, Ester (Grazi Massafera).

Entre as frases ditas por Henri a que mais chamou atenção foi a de que não é querido. “Eu não sou unanimidade em lugar nenhum, ninguém é. “O Brasil não me ama, algumas pessoas gostam e outras não”, contou.

Depois de enaltecer o trabalho de toda a produção, o ator ainda comentou a dificuldade de se gravar uma novela. “É uma renúncia gravar novela. Está complicado, mas faz parte”, disse.

CURTA A NOSSA PAGINA NO FACEBOOK

Curto

BOMBA!!! – Leia a última cena da novela “Lado a Lado”

lado a lado laura isabel

Depois de tantas indas e vindas, a amizade de Isabel (Camila Pitanga) e Laura (Marjore Estiano) ficou estremecida nos últimos capítulos da novela “Lado a Lado”.

No entanto, como toda boa novela, as duas vão reatar no final.

O “Telemaníacos” traz pra vc a última cena que será exibida na novela, dia 8 de março, onde as duas selam sua grande amizade com a promessa de ficarem para sempre juntas, “lado a lado”. A cena promete ser emocionante.

Confira:

CENA 31. casa de jurema/ sala/ Interior/ Dia.

Laura pensativa, Isabel entra.

Isabel     — Como é que você me escapa na hora dos cumprimentos?

Laura     — Precisava dum minuto de silêncio. Lembra aquele dia na igreja?

Isabel     — Seis anos, enfim eu casei com o Zé!

Laura     — E eu casei, divorciei, reconciliei, separei e enfim revoguei o divórcio!

Isabel     — Então casou de novo!

Laura     — É! (t) Eu tinha tantas dúvidas…

Isabel     — E eu tantas certezas…

Laura     — O tempo mostrou que o casamento vale a pena, quando o marido é… o Edgar!

Isabel     — Digo o mesmo do Zé! Tanto encontro e desencontro.

Laura     — Até a gente se encontrou e desencontrou…

Isabel     — É verdade… Mas a gente não vai se largar não.

Laura     — Naquele dia, de tantas dúvidas, a minha única certeza foi que eu tinha encontrado uma amiga. De verdade.

Isabel     — Eu também. Naquele dia, eu dormi achando que tinha perdido o Zé, mas certa de que tinha encontrado você.

Se abraçam, emocionadas. Close nas duas. Tempo. CAM vai se afastando, sai da casa,sobe pra geral do morro e, daí, pra geral do Rio de Janeiro contemporâneo, ao som de “Liberdade, Liberdade”. Corta para: fim

 

Telemaniacos

CURTA A NOSSA PAGINA NO FACEBOOK

Curto

Walther Negrão e Jayme Monjardim apresentam “Flor do Caribe”

Walther Negrão e Jayme Monjardim apresentam ‘Flor do Caribe’ 

 A casa de Ester (Grazi Massafera), Samuel (Juca de Oliveira) e Lindaura (Ângela Vieira) foi o cenário escolhido pelo autor Walther Negrão e pelo diretor de núcleo e geral Jayme Monjardim para apresentar a próxima novela das seis, ‘Flor do Caribe’, para a imprensa. No estúdio da Central Globo de Produção, com o cenário repleto de esteiras, redes e objetos cenográficos do Rio Grande do Norte, foi exibido o clipe contendo as primeiras cenas da novela com imagens de romance, humor e ação. Logo em seguida, Jayme deu as boas-vindas aos convidados do evento e agradeceu a dedicação e empenho de toda a sua equipe de direção e produção. “Tem sido um presente e um desafio muito grande fazer essa novela”, disse o diretor que convidou para se juntar a ele, o diretor-geral Leonardo Nogueira e os diretores Teresa Lampreia e Thiago Teitelroit. “A gente nunca se contentou com pouco. O negócio é não piscar e fazer cada cena como se fosse a melhor”, comentou Leonardo.

Já Walther Negrão contou o que os telespectadores podem esperar da novela e comentou sobre as belas imagens. “Está um absurdo de produção, as imagens estão maravilhosas. Escolheram atores tão empolgados que estão com olhos brilhantes”, falou Negrão.

O trio protagonista Henri Castelli, Grazi Massafera e Igor Rickli (Foto: TV Globo / Miriam Paço)

Henri Castelli comentou sobre seu personagem, o piloto Cassiano. “Foi um encontro incrível na minha vida. Estou muito emocionado de ver o resultado de tanto trabalho. Estou dando o sangue que eu tenho nesse projeto e a alegria é máxima”. Já Grazi Massafera falou sobre a emoção de voltar a trabalhar com Jayme Monjardim e Walther Negrão. “Depois de seis anos, trabalhar com o Jayme e com o Negrão é como voltar para casa. Admiro demais os dois. É uma novela feliz, alegre”.

‘Flor do Caribe’ é uma novela de Walther Negrão com direção de núcleo de Jayme Monjardim e direção geral de Jayme Monjardim e Leonardo Nogueira. A próxima novela das seis tem estreia prevista para 11 de março.

Henri Castell, Grazy Massafera e Igor Ricklyi. Crédito: TV Globo/Renato Rocha Miranda

Dudu Azevedo, Max Fercondini, Thaíssa Carvalh e Thiago Martins. Crédito: TV Globo/João Miguel Júnior

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

Junte-se a 27.916 outros seguidores

%d blogueiros gostam disto: